sexta-feira, 18 de julho de 2014

O QUE É pH ? pH DO SANGUE, pH DA SALIVA, pH DO ESTÔMAGO, pH DO SUCO PANCREÁTICO, pH DA BILE


Entendendo o que é o pH e sua importância para o perfeito funcionamento do organismo,

Para quem quiser aprofundar como melhorar a acidose sanguínea, segue um link:
http://gfugeradordefrequencia.blogspot.com.br/2011/03/x_5013.html

Definição : pH (potencial de Hidrogênio) é a medida da acidez ou alcalinidade de uma solução- a relação entre íons positivamente carregados (acidificantes) e íons negativamente carregados (alcalinizantes).
Quanto maior o índice do pH, mais alcalino e mais rico em Oxigênio o fluido é. Quanto menor o pH, mais ácido e pobre em Oxigênio é o fluído. O pH varia de 0 a 14, sendo 7 o índice de neutralidade. Tudo acima de 7 é alcalino, e abaixo de 7 é considerado ácido.

O pH do plasma sanguíneo: O sangue de uma pessoa sadia deve ser levemente alcalino (7,35 - 7,45) 


Se o pH do sangue se move para baixo de 6,8 ou acima de 7,8 o corpo tem que fazer um esforço para equilibrar o pH. Nesse movimento retira sais minerais do corpo. 

Por isso que as pesquisas falam na falta de sais minerais = doenças.

O pH varia 
Variações do pH nos fluidos corporais.


pH
saliva
6.8 a 7.2
sangue
7.35 a 7.45
Urina
4.8 a 8.0
Suco gástrico
1.2 a 3.0
Suco pancreático
7.1 a 8.2
Bile
7.6 a 8.6
Fluido vaginal
3.5 a 4.5
Semem
7.20 a 7.60


 - o sangue venoso é 7.35, o sangue arterial é de 7.4

Com o tempo, se a acidez não for tratada, a pessoa tende a ter doenças crônicas e degenerativas. Nosso foco aqui é entender como a acidose acontece e como lidar com essa situação. Usamos a Eletroterapia (GFU), reposição dos sais minerais faltantes e foco na água de pH em torno de 7, na alimentação, respiração e nos fatores externos que acidificam nosso sangue e nosso corpo.


 Para desenvolvermos o nosso corpo e mantermos as atividades vitais, vivermos com saúde, crescer e mantermos o nosso organismo, necessitamos de "bons" alimentos, pois eles também fornecem energia para o nosso corpo.

Para permanecer vivos  as nossas  células necessitam ser constantemente renovadas com os nutrientes que provém de uma boa alimentação e de uma boa digestão. 




O aparelho digestivo tem 3 funções principais
DIGERIR - ABSORVER - ELIMINAR

A digestão ocorre na boca, estômago e intestino delgado (onde acontece a absorção dos nutrientes). A eliminação dá-se através do intestino grosso

OUTROS ÓRGÃOS ASSOCIADOS AO SISTEMA DIGESTIVO
Fígado - bílis
Pâncreas - produz a maioria das enzimas digestivas. Quando sobrecarregado ou danificado por vírus, vacinas, álcool propílico ou por cálculos biliares que bloqueiam o canal pancreático, a digestão fica seriamente comprometida.

Os alimentos não digeridos ou mal digeridos podem permanecer no intestino fermentando ou entrando em putrefação.



BOCA: IMPORTÂNCIA DO Ph  da Saliva 

A saliva é uma mistura homogênea de secreções produzidas principalmente pelas glândulas salivares e pelas glândulas bucais menores, que desenham uma função dupla: participação no processo de digestão e facilitação da deglutição dos alimentos. 

- O pH da saliva é de 6.8 a 7.2.

O dente e a saliva estão sempre trocando sais minerais. Entretanto, quando a saliva se torna ácida, o esmalte dentário passa a doar mais sais minerais ao meio bucal. Assim, o dente torna-se mais suscetível à cárie.


A capacidade-tampão da saliva (CTS) é a propriedade de a saliva manter o seu pH constante a 6,9-7,0, graças aos seus tampões, mucinato/mucina, HCO3 / H2CO3 e HPO4 / H2PO4, que bloqueiam o excesso de ácidos e de bases. 

Os tampões mucinato/mucina e monofosfato/bifosfato agem da mesma forma, e assim, o elevado poder tamponante da saliva mantém a higidez da mucosa bucal e dos dentes.

A saliva protege a cavidade oral de duas maneiras: primeiro, evitando a colonização da boca por microrganismos potencialmente patogênicas, por negar-lhes as condições ambientais ideais, pois muitas bactérias necessitam de um pH específico para seu crescimento máximo; em segundo lugar, os microrganismos da placa podem produzir ácido a partir de açucares, os quais, não sendo rapidamente tamponados e limpos pela saliva, podem desmineralizar o esmalte.

A determinação da CTS se faz por titulometria, medindo-se o volume de ácido láctico 0,1 normal necessário para baixar o pH salivar de 6,9 para 3,7 (ponto de viragem do alaranjado de metila). E assim, podemos classificar os pacientes em três grupos:

1.    Pacientes medianamente susceptíveis à cárie dental: CTS = 40.
2.    Pacientes resistentes à cárie dental: CTS => 40.
3.    Pacientes muito susceptíveis à cárie dental: CTS <= 40.

Dentro de certos limites, a CTS funciona como um índice relativo de atividade de cárie dental.

Se o pH da saliva estiver em desequilíbrio vai afetar o processo digestivo que começa na boca.

O aparelho de Eletroterapia colabora com o Reequilíbrio do pH.
Para saber mais é só clicar em:
http://gfugeradordefrequencia.blogspot.com.br/2011/03/x_1065.html


 A saliva desempenha um papel importante na manutenção dos tecidos bucais, uma vez que exerce um efeito de limpeza arrastando substâncias alimentares e micro organismos patogênicos que se não forem removidos, contribuirão com o surgimento das cáries dentais, infecções e deterioração dos tecidos. (gengivite, perda óssea, mau hálito, entre tantos outros). 

O bom funcionamento da saliva é dependente de um pH bucal favorável, que no caso, gira em torno de 7,0. Qualquer alteração neste é capaz de dificultar a ação salivar, prejudicando o processo de digestão.

pH DO ESTÔMAGO - A gama de pH ácido do estômago normal situa-se entre 1,5 e 3,5. Esta acidez cria um ambiente ideal para a pepsina, enzima digestiva principal, quebrar a comida.

IMPORTÂNCIA DO PH DO ESTÔMAGO SER ÁCIDO
O pH do ácido gástrico é importante na manutenção da digestão saudável, pois um pH  mais baixo pode levar a lesões ulcerativas, enquanto que um pH elevado impede a repartição adequada dos alimentos.
 Veja a importância do pH adequado. O corpo sempre trabalha em parceria. 

COMO ACONTECE A ALTERAÇÃO DO Ph do ácido gástrico ?

Os níveis de pH do ácido gástrico podem ser afetados por infecção, stress e outros fenômenos fisiológicos.

 Veja a importância do uso da ELETROTERAPIA - GFU que colabora com o reequilíbrio do pH do nosso corpo.
lhttp://gfugeradordefrequencia.blogspot.com.br/2011/03/x_1065.html


Do estomago seguimos para o INTESTINO DELGADO



O duodeno recebe o conteúdo do estômago.



- Logo após a entrada do alimento, o duto pancreático excreta enzimas pancreáticas ao alimento sendo digerido. Essas enzimas reduzem a acidez do alimento antes que ele chegue à parte do intestino delgado que não é tolerante a pH baixo. O pH do suco pancreático oscila entre 8,5 e 9




- O duto biliar, que carrega a bile do fígado, também se esvazia no duodeno e é responsável por quebrar gorduras do alimento.
A bile: é produzida no fígado e armazenada na vesícula biliar. O pH da bile oscila entre 8,0 e 8,5. 



Com a ajuda de enzimas presentes nos sucos, os BONS nutrientes são transformados em substancias simples que são absorvidas pelas células da parede intestinal, passam para o sangue e esses bons nutrientes são distribuídos para todas as células do corpo.

Benefícios de um intestino delgado saudável

Os benefícios de ter um intestino delgado saudável:

- Por ser a parte do sistema digestivo responsável pela absorção. Ele é muito vascularizado, o que significa que tem muito sangue circulando. Portanto, nutrientes, vitaminas e medicamentos podem entrar no corpo de forma rápida e eficiente logo após deixarem o estômago.

 -Durante o curso de um dia normal, ingerimos numerosas bactérias, parasitas e vírus. As grandes áreas de superfície da mucosa do intestino delgado representam um grande portal em potencial de entrada para estes patógenos.

- O intestino delgado serve como uma grande barreira imunológica, além do seu importante papel na digestão e na função endócrina.

Como resultado da exposição antigênica constante, o intestino possui células linfoides abundantes (p. ex., linfócito T e B) e células mieloides (macrófagos, neutrófilos, eosinófilos e mastócitos). 

Para lidar com a constante inundação de toxinas e antígenos em potencial, o intestino evoluiu em um mecanismo altamente organizado e eficiente para o processamento antigênico, imunidade humoral e imunidade celular.


  INTESTINO GROSSO



O intestino grosso é a parte final do tubo digestivo.
Na região final do cólon, a massa fecal (ou de resíduos), se solidifica, transformando-se em fezes.

 Cerca de 30% da parte sólida das fezes é constituída por bactérias vivas e mortas e os 70% são constituídos por sais, muco, fibras, celulose e outros não digeridos. A cor e estrutura das fezes são devido à presença de pigmentos provenientes da bile.

Funções do Intestino Grosso

Absorção de água e de certos eletrólitos
Síntese de determinadas vitaminas pelas bactérias intestinais
Armazenagem temporária dos resíduos (fezes)
Eliminação de resíduos do corpo (defecação)







Ainda hoje é pouco divulgado sobre a importância do pH no sangue. Se você medir seu pH provavelmente vai dar OK porque "precisa" estar OK. Mas isso não significa que seu sangue esteja limpo, sem toxinas, químicas , metais pesados e micro organismos que causam doenças.

Pesquisas comprovando que a origem de todas as doenças tem como base a exposição do nosso corpo a parasitas (entre os quais inclui parasitas, vermes, bactérias, vírus e fungos) que acabam por colonizá-lo, bem como a contaminação com produtos tóxicos e químicas através da exposição ao meio ambiental. 


A penetração destes produtos tóxicos no nosso organismo  acontece através do contacto com o meio ambiente que nos rodeia e pelas práticas comuns do nosso dia a dia, assim como a ingestão dos alimentos, o uso dos produtos de higiene pessoal (laca, gel, xampu, tinta do cabelo, colônia, perfumes) e os produtos para limpeza da casa ( detergente, sabão, desinfetante, etc.).

Muitos destes produtos têm titânio, bismuto, bário, estrôncio, alumínio, cromo, benzeno e corantes, entre outras substâncias tóxicas. É importante saber-se que todos os metais introduzidos no organismo reforçam as bactérias e rompem as cadeias de ARN e ADN.

PH na alimentação

A preocupação da medicina preventiva com o equilíbrio do pH passou a ser mais divulgada depois do trabalho do médico americano William Howard Hay.


Seguindo a trilha aberta pelo Dr. Hay, outro médico norte-americano, o dr. Theodore A. Baroody, publicou o livro Alkalize or Die (Alcalinize ou morra), no qual reafirma a teoria de seu colega. "Os incontáveis nomes de doenças realmente não importam. O que realmente importa é que elas todas vêm da mesma causa-raiz: excesso de resíduos ácidos no organismo".

Colocando a lista dos alimentos indicados por ele no final desta página. Vale lembrar que esses produtos não são regionais (para nós brasileiros).

A maioria dos alimentos processados são acidificantes. Para prevenir e colaborar com a cura de qualquer doença se faz necessário evitar os alimentos processados, doces ou carboidratos simples, não apenas porque eles são acidificantes. São também pobres em nutrientes, elevam o índice de açúcar no sangue e estão carregados de elementos tóxicos conservantes, corantes...

Todos os alimentos que ingerimos, através do processo da digestão, são degradados em partículas (nutrientes) e através da corrente sanguínea são levadas para todas as células do corpo. Veja a importância de nos alimentarmos de forma correta e das células estarem capacitadas para receberem os nutrientes.  Em um sangue ácido as células ficam aglomeradas.

Os alimentos, depois de digeridos, podem dar origem a álcalis ou ácidos. O sangue tem pH que varia de 7,35 a 7,40. Faixa de pH que indica alcalinidade. É nessa faixa que ele mantém o equilíbrio para desenvolver bem sua função (transportar os nutrientes).
Qualquer mudança mais para a alcalinidade ou mais para a acidez afeta o metabolismo e o funcionamento de todo o organismo e as células ficam sem os nutrientes necessários para que tenhamos uma BOA SAÚDE.
Conclui-se, portanto, que, se os alimentos consumidos contribuírem para manter o pH alcalino do sangue, este desempenhará perfeitamente suas funções (entregar nutrientes para todas as células), sem acarretar desequilíbrio no metabolismo. Mas vale lembrar que não são só os alimentos que contribuem para um pH ficar equilibrado.

Em contrapartida, se os alimentos consumidos contribuírem para acidificar o sangue, haverá necessidade de adaptação para cumprir sua função. Essa adaptação, chamada de homeostase, exige maior gasto de energia pelo organismo, alteração do metabolismo e, conseqüentemente, gera estresse. Como vemos não é só o estresse do dia a dia, das preocupações, emoções e correria que acidificam o nosso sangue.

A acidez do sangue é um fator negativo, porque provoca mais estresse. Pronto! Instalou-se um círculo vicioso negativo: estresse gerando mais estresse.

Alimentos acidificantes: Pão branco, carne, peixe, ovos, alimentos gordurosos, queijos amarelos, açúcar, churrascos, frituras, bebidas alcoólicas, café, refrigerantes, doces, sorvetes, embutidos, enlatados. O consumo indiscriminado de açúcar produz um pH ácido.

Alimentos alcalinizantes: Vegetais em geral,frutas, verduras, leguminosas, (sem agrotóxico) frutas secas, oleaginosas como castanhas e  nozes (sem fungos), leite fervido e iogurte desnatados (feitos em casa sem conservantes), queijos magros. ATUALMENTE - (Outubro de 2014) fica um pouco mais difícil de se falar em alimentos alcalinizantes. Nossos alimentos tem sido contaminados com agrotóxicos (e esses agrotóxicos são altamente acidificantes).

A água
A água é o melhor solvente que existe, sendo que o pH é determinado através de uma escala universal graduada de 0 a 14, sendo 7 o ponto correspondente a neutralidade. Portanto, quando a água tem um pH inferior a 7, diz-se que é ácida, se é igual a 7, diz-se que é neutra e se é superior a 7, diz-se que a água é alcalina. Portanto, é importante saber que em condições de saúde o líquido intracelular e extracelular apresentam um pH que oscila entre 7,35 a 7,45, ou seja, levemente alcalino. Nosso organismo tende a alcalinidade, sendo que água saudável deve ser água alcalina. 

- Emoções e Sentimentos ácidos e alcalinos.
 As emoções, os sentimentos, a agitação mental e física também têm potencial para alcalinizar ou acidificar partes do organismo em questão de frações de segundos.

Um organismo acidificado tende a manifestar sentimentos, emoções e reações "ácidas". A raiva, inveja, ansiedade, ciúme, excesso de julgamentos e críticas, exercícios físicos obsessivos, competições, calor em excesso, desidratação, etc. que induzem à acidificação do organismo em questão de segundos. Ação e reação
Ao contrário, é comum ao organismo devidamente alcalinizado compartilhar frequências sentimentos e emoções prazerosos. 

Afetuosidade, compaixão e compreensão são estados típicos de um corpo em harmonia metabólica, sereno e pacífico. Assim, o estado meditativo ou de oração, a vivência do amor, bom humor, do belo, do positivismo, da verdade e do prazer de estar vivo podem ser considerados "alimentos" de grande potencial alcalinizante. Estas emoções, por sua vez, alcalinizam o sangue. Pronto! Instalou-se um círculo vicioso positivo.

Pronto! Instalou-se um círculo vicioso positivo. É uma mudança total na vida da pessoa.  O retorno da vontade de viver. por essas e outras que divulgo o GFU, aprendi que estar Saudável é ESTAR FELIZ. É ter sentimentos bons...de paz e alegria. Já tive um sangue ácido e para mim é clara essa afirmação: sangue ácido = pensamentos ácidos = energia ácida = atrai situações e pessoas ácidas.
Uma das colocações mais comum das pessoas que acompanhamos é: Estou  dormindo melhor, me sinto mais tranqüilo, dores nas costas acabaram isso me deixa menos estressado, não me sinto mais tão irritada e impulsiva…uma das usuárias que nos enviou um e mail: Após 4 sessões completas (menos de 1 mês de uso) ela ligou e contou que tomava remédio para dormir há 11 anos e sempre depressiva. Toda feliz contou que estava acordando cedo, toda animada, foi ao médico e ele retirou o medicamento e ela estava ótima.

Abaixo resumo da classificação dos alimentos indicados pelo Dr Young
1- Muito alcalino: Aspargo, cebola, Sucos de vegetais, salsa, espinafre cru, Brócolis, Alho, capim de cevada, Limão, Melancia, Lima, Grapefruit, Manga, mamão, Chás de ervas, água com limão, Estévia, azeite

2- Alcalino: quiabo, abóbora, feijão verde (favas), Beterraba, salsão, alface,abobrinha, batata doce, Tâmara, Figo, Melão,Uva, Mamão, Kiwi, Amoras, Maçã, Pera, Uva passa, Leite materno, Amêndoas, óleo de linhaça comestível, Chá verde.
3- Levemente alcalino: Cenoura, Tomate, milho verde, cogumelo, repolho, ervilha, Couve-flor, nabo, casca de batata, azeitona, Laranja, Banana, Cereja, Abacaxi, Pêssego, Abacate, Amaranto, Milheto, Lentilha, milho doce, Quinoa, Queijo e leite de soja, Queijo e leite de cabra, ricota,  Castanha portuguesa, Castanha do Pará, Avelã, Côco, óleo de canola, mel in natura

4- Pouco ácido: Espinafre cozido, alguns tipos de feijões (azuki), Ameixa, Suco de fruta processado, Pão de centeio, Trigo germinado Pão de trigo, Arroz integral, Fígado, Ostras, Peixes, Ovo, Manteiga, Iogurte, Queijo fresco, Creme de leite, Sementes de abóbora, gergelim e de girassol, Óleo de milho, Óleo de girassol, Margarina, Toucinho, Chá, Cacau, mel processado

5- Ácido: Batata (sem casca), Feijões (vários tipos), fruta enlatada, Arroz branco, Milho, Trigo sarraceno, Aveia, Centeio, Peru, Galinha, Carneiro, Leite cru, Noz pecan, castanha de caju, Pistache, Café, Vinho, Açúcar branco, Açúcar mascavo, Melaços, Geleias, Maionese, Mostarda, Vinagre

6- Muito ácido: Ameixa seca, Suco de Fruta Adoçado, Trigo, Pão branco, Massas assadas, biscoitos (espaguete, macarrão, pizza, etc), Carne de vaca, Carne de porco, Mariscos, Queijo, Leite homogeneizado, Sorvete, Pudim, Amendoim, Noz de natal, Cerveja, Bebidas alcoólicas, Refrigerantes, Adoçante artificial, Chocolate
Fonte: Dr Robert O. Young, “The pH Miracle"